Terceiro caso de Leismaniose é registrado em Santa Fé.

Desta vez, em um bebê.

Uma criança de dez meses, de Santa Fé, está sendo tratada contra a Leishmaniose.

Segundo o secretário de Saúde, Carlos Rogério Garcia, o bebê está estável e em tratamento, mas já voltou para a casa. Este já é o terceiro caso da doença registrado na cidade, sendo os anteriores, um homem e uma mulher, moradores de bairros diferentes.

A criança ou os pais não tiveram os nomes divulgados, porém consta que o último atendimento foi realizado no Hospital de Base de São José do Rio Preto, e o bebê irá continuar o tratamento com remédios. A família toda será avaliada e passará por exames, visto que é necessário que haja um bloqueio na área, ou seja, na casa onde a família reside, assim como em uma área num raio de 200 metros, que será aplicado veneno para erradicar a proliferação do mosquito palha que é transmissor da doença.

A Secretaria de Saúde pediu a compreensão da população que reside nesse local, pois este tipo de veneno deve ser aplicado diretamente dentro de cada casa, ou seja, nas paredes e atrás dos móveis.

Equipes da vigilância epidemiológica farão ainda uma varredura pelo bairro, cuja localidade também não foi divulgada, buscando encontrar locais que favoreçam a existência do mosquito, assim como fazer exames em cães que possam estar infectados.

Leishmaniose

O mosquito palha transmite a doença através dos cães, que, uma vez infectado, será sempre o transmissor da doença, ou seja, quando um mosquito infectado pica um cão, ele já possui a leishmaniose. A partir de então, qualquer mosquito que picar o cão passará a transmitir doença, podendo ele, assim, o fazer em seres humanos.

Os sintomas nos cães são fraqueza, queda de pelos, vômito, diarreia, sinais na pele (olhos e face), crescimento das unhas, musculatura diminuída e emagrecimento.

Já no ser humano, a doença pode passar despercebida e até evoluir de maneira que não apresente sintomas e então evoluir gravemente.

Sintomas no homem

A leishmaniose manifesta-se de forma gradual. Pode passar despercebida e evoluir de forma que não apresente sintomas ou passar para um estágio evolutivo de maior gravidade.

A pessoa com leishmaniose pode apresentar alguns sintomas, como tosse seca, emagrecimento, diarreia, sangramento na boca e no intestino (em casos mais graves), febre irregular e anemia.

O diagnóstico, quanto mais precoce, melhor. Em geral, o diagnóstico clínico deve ser confirmado por exames laboratoriais.

Sintomas no animal

A doença nos animais manifesta-se por fraqueza, queda de pelos, vômito, diarreia, sinais na pele, principalmente na região das orelhas e face, crescimento das unhas, cães tristonhos e com musculatura diminuída e emagrecimento.

Uma vez infectado, o cão será sempre um transmissor da doença.

Saiba mais dados sobre a Leismaniose clicando aqui.

Bookmark and Share