Presidente da Unimed denuncia irregularidades na Santa Casa.

“Incompetência administrativa”, como apontou dr. Jarbas, é que levou a Santa Casa ao banco dos réus: “Temos que abrir a Caixa Preta desse hospital!”

https://lh4.googleusercontent.com/-slXU16fGTm0/UeTJhwBESSI/AAAAAAAAN_o/2xMlq7gAvKg/s640/pegadinha-do-malandro.jpgJoão Leonel e Hermínio Stroppa-Jornal Semanário

O presidente da Unimed, dr. Jarbas Alves Teixeira, inconformado com “inúmeras e recorrentes irregularidades” registradas e observadas na Santa Casa de Fernandópolis, protocolou na última semana junto ao Ministério Público local, um relatório onde figuram aproximadamente 10 casos que vão desde “superfaturamento de notas fiscais”, estas cobradas da Unimed por procedimentos cirúrgicos de conveniados do Plano de Saúde fernandopolense, até a ocorrência de “desaparecimento” de próteses ortopédicas – no caso “duas âncoras” – solicitadas pela Santa Casa para implantação em um paciente, e que após exames de Raio-X, não foram detectadas onde os médicos do hospital haviam indicado para sua devida implantação.

Dr. Jarbas, acompanhado pelo gerente administrativo da Unimed, Rivelino Clemente, recebeu a equipe de Reportagem do jornal Semanário na tarde da última sexta-feira, dia 12, na sede da Unimed em Fernandópolis.

“Fiz estas denúncias e vou levar adiante, não aceitamos mais essa situação. Exigimos que a Santa Casa cumpra com suas responsabilidades. Estamos reféns de um hospital único na cidade, o qual não oferece atendimento digno aos nossos conveniados. Onde vamos arrumar um hospital? Em Votuporanga? A Santa Casa de lá nos quer, nos oferece leitos e um excelente atendimento. Já temos até um acordo com a Unimed de lá, mas exigimos uma Santa Casa digna aqui em Fernandópolis. Se fosse simplesmente pela questão de um melhor atendimento, já teríamos resolvido essa questão. Já temos o nosso Pronto Atendimento em fase final de implantação. É questão de mais 20 dias para iniciarmos os atendimentos para os nossos conveniados em nosso próprio Pronto Atendimento. Mas e depois, vamos levar nossos clientes para qual hospital? Não existe “Irmandade” ali (Santa Casa de Fernandópolis). Estão agindo totalmente fora do Estatuto do hospital. É muita incompetência administrativa, por isso temos que abrir a "Caixa Preta" da Santa Casa”, declarou Jarbas Teixeira.

Passou do limite

Rivelino Clemente confirmou que há vários anos, a Unimed vem observando irregularidades e cobrando soluções da direção administrativa da Santa Casa.

“Tem um caso de evidente superfaturamento de notas fiscais cobradas da Unimed pela Santa Casa. Trata-se de uma neurocirurgia com implantação de prótese ortopédica. Numa primeira cobran-ça da Santa Casa, o valor era de R$ 47 mil, depois da negação da Unimed, devido ao valor abusivo, esse total caiu para R$ 21 mil. Então solicitamos um processo de prestação de contas, que não ocorreu”, diz Rivelino, sobre o caso registrado este ano.

Mas há um outro que também chama a atenção, ocorrido no ano de 2010, que registra o estranho “desaparecimento” de duas próteses.

“Foram solicitadas 3 âncoras – próteses – para serem implantadas em um paciente que é nosso conveniado. Disponibilizamos o que foi solicitado, mas para nosso espanto, após exames de Raio-X depois do procedimento cirúrgico, havia sido implantado no paciente somente uma das próteses solicitadas. Onde foram parar as outras duas, e que foram pagas por nós?”, indaga Rivelino.

Esses são apenas dois dos aproximadamente 10 casos levados ao MP. Há também uma medida judicial pendente, sobre a apresentação de prestação de contas dos últimos dois anos, já determinada pela Justiça, através de sentença proferida pela juíza Luciana Cochito, que deu 48 horas para que isso ocorresse, mas, já passados mais de 10 dias, nenhuma nota ou conta foi apresentada pela Santa Casa.

“Fomos expulsos da Santa Casa. O atendimento em mesmo local, de conveniados da Unimed e do SUS, é proibido por lei. Em Santa Fé do Sul, a Unimed foi multada em R$ 80 mil por isso, vamos esperar para também sofrermos uma punição como essa?”, enfatiza dr. Jarbas, ao lembrar da mudança implantada recentemente na Santa Casa de Fernandópolis, que disponibiliza o mesmo local para todos os pacientes, do SUS e de convênios médicos, como da Unimed e do IAMSPE, por exemplo, quando estes procuram atendimento no Pronto Socorro, em casos de urgência e emergência.

Por falta de tempo hábil, nenhum dos últimos provedores da Santa Casa foram procurados pelo Semanário, assim como o promotor Denis Henrique Silva, que recebeu as denúncias da Unimed, os quais terão espaço garantido para, se assim quiserem, rebater ou apresentar suas versões sobre todos os fatos relatados nesta matéria.

Audiência

Uma ação de Indenização por Danos Morais movida contra a Santa Casa arrola a Unimed como “coautora” de possíveis irregularidades no atendimento a uma conveniada.

O fato ocorreu no último dia 13, quando uma paciente com quadro de crise nervosa procurou a Santa Casa e, segundo consta na ação, não teria recebido o atendimento devido.

Fotos e até um vídeo registraram o que a paciente e sua acompanhante apontam como “péssimo estado de higiene” (como a presença de algodões embanhados em sangue pelo chão), demora no atendimento – espera de mais de uma hora – e falta de médicos no Pronto Socorro. A médica que iniciou o atendimento teve que se ausentar – enfermeiros teriam afirmado que ela estava jantando – e o PS teria ficado sem outro médico para substituí-la.

No próximo dia 23, a Unimed deverá comparecer ao Fórum de Fernandópolis, para uma audiência que tratará do processo sobre este caso.

Pronto atendimento da Unimed

A Unimed Fernandópolis entra na reta final dos preparativos para a inaugura-ção de sua unidade de Pronto Atendimento, que será disponibilizada aos usuários da seguradora.

Planejado dentro dos padrões de atendimento hospitalar, desde a entrada do paciente na unidade, passando pelas salas de triagem e acompanhamento, o P.A. da Unimed funcionará inicialmente das 10h às 22h.

Com base em um atendimento padronizado e humanizado, o P.A. da Unimed contará também com a presença de profissionais em tempo integral de atendimento, com equipe formada por médico, enfermeira padrão, atendentes e auxiliares, além de profissionais das áreas de fisioterapia e farmácia.

O núcleo também conta com serviços e área exclusiva para fisioterapia, com sala adaptada para os exercícios e hidroterapia. Os quartos são individuais e privativos, garantindo o conforto para pacientes e acompanhantes.

O P.A. prestará todo o atendimento ambulatorial necessário para seus usuários, que e em casos emergenciais serão encaminhados para a Santa Casa, que segundo dr. Jarbas, deve apresentar condições para tal, tanto para os usuários da seguradora, quanto dos outros planos de saúde e o SUS. A unidade deverá entrar em funcionamento em 20 dias.

https://lh4.googleusercontent.com/-pwteEidrJpM/T3TmNEefkvI/AAAAAAAAG5w/U5omLgmAQv4/s185/fonte%2520de%2520noticias2.png

Bookmark and Share